Crônicas

Ah, Romero Jucá, esse foi um Golpe mais baixo ainda!

Humberto de Almeida
Escrito por Humberto de Almeida

A coisa é tão suja que não posso começar de outra forma. Se na Dinamarca existia “algo de podre”, segundo o Marcellus, por aqui não só existe “algo”. O governo está todo podre. O país. O mau cheiro é tão grande que a estátua da justiça tira a venda dos olhos e cobre o nariz.

E sabem de uma coisa? Sempre desconfiei do Jucá. Sempre. Jucá e a sua – dele -“tribo” contrariaram a história do rei. O rei estava nu e com a bunda cheirando mal. O índio Jucá está vestindo. E índio vestido, vocês sabem, quase nada de índio carrega consigo. Pausa. Comigo e contigo. Índio é índio. Jucá? Um ex-croto. Apenas. Fim do parágrafo.

Mas, assim comecei escrevendo, sempre desconfiei desse Jucá. Algo assim parecido com aquele sujeito lombrosiano. Vocês sabem. O Lombroso. Cesare Lombroso. Segundo esse sujeito lombrosiano, alguns sujeitos trazem no físico (“os criminoso medem mais de 1,69”. Pausa aqui mesmo: eu tenho 1,84. Seria um suspeito?) os sinais do criminoso. Lombroso era um preconceituoso. Tudo bem. Mudo de parágrafo.

Volto às mal-traçadas. De volta ao começo. Nunca acreditei no Romero Jucá. Ele soa falso. Lembra-me aqueles bonecos de posto de gasolina. Muito movimento, no mesmo lugar e nada significam. O que Jucá diz não se escreve. Escuta-se. Apenas. Escutamos. Se tem mais? Tem: de onde menos se espera é que não sai mesmo. O caso dele, porém, é diferente. Sempre esperei dele isso que agora está acontecendo.

Jucá é um sujeito que há muito se locupleta com os cargos que ocupara não deveria. Ah, fora deles também. Sempre. Assim de repente ou mais que de repente ninguém se regenera. Pau torto morre torto. Jucá vem lá do fundo Petrolão. Sujo. Podre de sujo. Tão lembrados? Um dos mais sujos na chamada “Operação Lava Jato”.

A minha memória… Ah, minha memória! Nem preciso pedir auxílio ao Freud dos tempos modernos. O nosso. Esse que tudo explica. O Google. Não esquecer ainda que o homem também foi denunciado como um dos mais fortes recebedores de propina do país da corrupção. Pausa. Nunca antes na história deste país, sem lembrar aqui o Lula, pelo amor de Deus, pois desse a história se encarregará de julgar, um sujeito foi tão sujo em sua história.

Tão lembrados das obras do Angra 3? Eu tô. O homem também estava lá. Apropriava-se de toda propina que pudesse angariar. Quase escrevo “Angrariar”. Só para encerrar, porque o dito aqui será dito por outros se dito ainda não tiver sido por muitos, já estou de saco cheio de tudo isso. Não aguento mais. Esse foi mais “golpe” feladaputa desferido pelo Juca. Um golpe seco.

Somente para lembrar, a relatora da Operação Zelotes, ministra Carmem Lúcia do Supremo Tribunal Federal, há muito abriu inquérito para apurar suposto – nada de suposto, ora! – envolvimento do presidente do Senado, Renan Calheiros, e do senador Romero Jucá, com a venda de emendas a medidas provisórias relacionadas ao setor automotivo editadas pelo governo federal.

Pronto. Agora lascou. Como acreditar que um sujeito sujo desses ficasse limpo de uma hora para outra? Por mais que soubesse que roupa suja se lava em casa ou na casa da Dinda, Jucá não conseguiu segurar o tranco. Não suportou passar tanto tempo sem sair do “armário da honestidade” fabricada na calada – e calado – da noite.

Diferente do Juca Pirama, Jucá não vai ser morto. Jucá está “morto”! Sepultado? Ainda não. Por isso, o mau cheiro que ele exala está poluindo o resto do verde-amarelo. Tudo podre? Fosse por aqui, com o pedido de desculpas ao Marcellus, nada de “Something is rotten in the state of Denmark”. Nada de apenas “algo de podre”. Afinal, se o Havaí não é aqui, aqui também não é a Dinamarca. Tudo podre! E agora com a ajuda do Romero Jucá, podre por dentro e por fora.

Meu Deus!

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Humberto de Almeida

Humberto de Almeida

Jornalista e escritor paraibano. Somente um pouquinho mais tarde viria o 1berto de Almeida – nasceu, cresceu, viveu e, mesmo não morando mais em Jaguaribe, nele ainda vive.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: