Crônicas

Fotografia

Luciano Fortunato
Escrito por Luciano Fortunato

Ela: biquíni bicolor deitada nas pedras, olhos fechados. Ele: escrivaninha. Houvera lido um trecho de um livro escrito por uma escritora espanhola. Um livro* sobre paixões na História. Um livro cheio de Freud. Portanto, cheio de verdades. O livro leva-nos a pensar que qualquer alteração nos batimentos cardíacos de uma pessoa (apaixonada) pode desencadear uma guerra ou qualquer tipo de evento catastrófico de dimensões incomensuráveis, num tipo de efeito-borboleta. Autora pessimista sobre o assunto e ele não gostara muito daquela visão desencantada e anti-borboleta.

Ela, antes lagarta feliz e desligada, agora é uma metamorfose em andamento sobre a pedra. Ela: borboleta. O coração dele: borboleta. A roleta russa de suas vidas confusas de chão de sabão e fogo, de divã com pregos: ampulhetas. Ela deitada nas pedras com águas e musgos parece uma índia romântica, uma pintura. A imagem do seu corpo grande deitado é algo que massageia os neurônios dele. Arte, cinema, música, dança, sexo, ecologia, fome… é tudo uma coisa só. E assim ele a vê: arte, cinema, música, dança, sexo, ecologia, fome. Ele é o progresso circular dos heróis: de Gilgamesh a Che Guevara. Ele é a soma das massas de anti-heróis, feito Freud. Ele é culpa. Às vezes ele é paixão – a paixão, com sua peculiar ausência de culpa. Às vezes ele é amor. E amor é a pura culpa. Às vezes ele é árvore. Às vezes lobo. Às vezes leão. Às vezes vampiro. Às vezes pedra. Ela? Ela está deitada em cima da pedra. Suas vidas são águas que saem das pedras.

* O livro em questão é Paixões: amores e desamores que mudaram a história, de Rosa Montero.

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Luciano Fortunato

Luciano Fortunato

Escritor.
"o menino é o pai do homem" (willian wordsworth);
"criar é dar forma ao próprio destino" (albert camus);
"...atire a primeira pedra" (yeshua)...

Ateu Cristão
Não creio em divindades de quaisquer religiões. Mas respeito profundamente quem crê no mundo místico, onde, aliás, vejo muita beleza. E como tenho como meu modelo pessoal o de Cristo, que é o exemplo total de tolerância, compreensão, conciliação, fraternidade, coragem e amor, sou levado, sem qualquer incômodo, a respeitar todas as religiões. Fé e ciência: ambos merecem respeito. Sou um homem curioso, preocupado em entender o ser humano e o mundo, e também a sentir a vida de forma grata... apesar de minhas posições políticas.
Preferência política: Simpatia pela esquerda

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: