Crônicas

Indignação

Campista Cabral
Escrito por Campista Cabral

Uma flor ao chão e pétalas são arrancadas à força. A cor é o vermelho. Vermelho de sangue! Vermelho de vergonha! Vermelho de raiva!

E assim, muitos ignoram a beleza e o significado da flor. Simplesmente a arrancam. Simplesmente a despedaçam. Simplesmente a jogam, murcha e desbotada, num canto qualquer…

Apesar de estarmos em pleno século XXI, as mulheres ainda são vítimas da violência, do descaso, do julgamento e da condenação.

Na arte, no esporte, na ciência, no mundo empresarial, enfim, em várias áreas e em várias funções, as mulheres alcançaram espaço e venceram inúmeras lutas.

Tristemente, no entanto, uma coisa permanece, o preconceito!

O estupro coletivo, embora ainda não se saiba quantos praticaram e quem efetivamente participou do vergonhoso fato em uma comunidade na cidade do Rio, não pode ser visto como outra coisa que não seja classificado como hediondo, bizarro e absurdo!

Em casa, no trabalho, na escola ou na rua, mulheres são espancadas, maltratadas, violentadas diariamente!

É preciso dar uma basta a esta atrocidade!

A notícia que estarreceu os brasileiros continua reverberando e fazendo pensar: até quando atos animalescos como esse continuarão a acontecer?

Que se prenda todos os envolvidos (quem fez, quem filmou, quem postou). Que se cumpra a lei! Bárbaros, estúpidos e monstros tem um só caminho: a prisão!

Esta crônica termina sem usar muitas palavras. Termina, como num momento de silêncio em que, consternada com a brutalidade e a ignorância da situação, não tem o que dizer. Tem o que sentir profundamente: indignação!

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Campista Cabral

Campista Cabral

Escritor, poeta e cineasta amador. Publicou quatro livros. O REI, O POETA, A MULHER E O MAR (contos), TERRA BRASILIS (crônicas), PARA ENTENDER UMA NOVA EDUCAÇÃO (livro voltado para os problemas da educação no século XXI) e FORMAÇÃO DOCENTE E PRÁTICAS INOVADORAS (livro sobre novas práticas docentes no ensino superior). Realiza anualmente o FESTIVAL DE CINEMA DE TERESÓPOLIS e, dentre alguns trabalhos na área, destaque para o filme NOITES COM SOL (2011) e os documentários PALAVRAS (2008), CAMINHOS EUCLIDIANOS (2012) e O QUE É FELICIDADE? (2013). Escreve regularmente para o Escritartes (www.escritartes.com) e Recanto das Letras (www.recantodasletras.com)

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: