Crônicas

Manual de como dialogar com um petista

Sérgio Sayeg
Escrito por Sérgio Sayeg

Manter diálogo com um petista é uma tarefa desafiadora que requer preparo, jogo de cintura e sobretudo bastante controle emocional.

O primeiro passo é conhecer bem o perfil do interlocutor. O biotipo ‘homo petistus’ deve ser compreendido dentro da totalidade de seu universo particular.

Inicialmente, devemos saber se a pessoa em questão é de fato um autêntico exemplar da espécie. Há maneiras empiricamente comprovadas de identificá-lo em poucos segundos. Faça um teste simples. Fale com ele sobre “os benefícios da Operação Lava Jato para o país”, sobre “a falta de liberdade em Cuba” ou sobre “a morte de Celso Daniel”. Se ele mudar de assunto, pode apostar: é petista!

Um método menos constrangedor é perguntar-lhe casualmente qual o último presidente eleito: se responder que foi a “presidenta” Dilma, entregou o jogo: petista!

Obviamente, ninguém nasce petista. As pessoas nascem ‘normais’, sem rótulos, crescem, fazem escolhas durante a vida, desenvolvem-se, adquirem a capacidade de se aprimorar.  Ao petista, esses passos são sempre mais difíceis pois são acompanhados de julgamentos críticos e sentimentos de culpa.

Ao contrário dos demais mortais, o petista é desprovido do dom do livre arbítrio que lhe é retirado durante a fase escolar.  Desde cedo, o pupilo que só queria brincar, namorar e ser feliz é aterrorizado por questões dramáticas como a “influência nefasta da globalização nos mercados emergentes” ou “os efeitos negativos do neoliberalismo sobre a distribuição de renda”.

Os conceitos embutidos pelos educadores em seu cérebro cristalizam-se e transformam-se em verdades inquestionáveis. Para ele, a diversidade só se aplica a questões raciais ou sexuais. Do ponto de vista político e social, a verdade é única e absoluta e é essa que deve ser repassada aos estudantes.

O pensamento binário do petista pode ser sintetizado em dois princípios básicos: 1) todo tucano é inimigo, 2) todo inimigo é tucano. Nem tente argumentar que a realidade é mais complexa do que sugere essa visão reducionista. Ele não vai processar essa informação.

A intolerância aos tucanos se contrapõe à condescendência a personagens políticos de estirpe diversa como Sarney, Maluf ou Collor, poupados por terem sido aliados de ocasião. No universo petista não existe motivação lógica, ideológica ou epistemológica. A questão se resume ao preceito: mais vale um aliado corrupto do que um desafeto íntegro. Ou, em outras palavras, “quem não está por nós, está contra nós”.

E dá-lhe votar contra tudo que não é obra do PT: Constituição de 88? Foram contra. Plano Real? Contra.  Lei de Responsabilidade Fiscal? Contra. No futuro, já podemos antever. Reforma na previdência? Serão contra. Reforma política? Contra. Reforma tributária? Contra. Reforma do judiciário? Contra. Reforma trabalhista? Contra. Reforma penal? Contra. Contra, contra, contra. São apenas a favor deles mesmos.

Para combater o purismo petista, seja tolerante e agregador. Não seja “contra” eles. É uma forma de mostrar-lhes que o mundo pode ser mais interessante quando incorporamos alternativos pontos de vistas.

De nada adiantará deixá-los irritados. Alguns de seus inimigos viscerais usam essa tática perversa, lembrando, por exemplo, que, em 2014, os petistas votaram em Temer para vice. Dizer que o Lula é corrupto, então, é motivo de rompimento definitivo de relações. Jamais faça uma declaração dessas. Seria o mesmo que dizer a um muçulmano que Maomé é imperfeito. Há dogmas que devem ser respeitados.

Também não incorra no erro comum de tentar entender o PT como partido político, o que só provoca estéreis discussões ideológicas. Entenda o PT como um time de futebol e seus correligionários como sua torcida organizada. O petista veste orgulhoso sua camiseta vermelha e encara seus integrantes como ídolos a serem venerados. Pouco importa sua idoneidade moral ou sua habilidade política. O que importa é que ele joga no seu time. Você já tentou convencer um membro da Gaviões da Fiel que o Palmeiras é melhor que o Corinthians? É o mesmo. Não lhe peça uma reflexão ou uma autocrítica. Seria exigir demais da criatura.

Compreenda-o como uma criança birrenta e trate-o com amor para abrandar seu ódio perene. Ele tem qualidades. É aguerrido, perseverante e tem sensibilidade artística latente (embora nunca abra mão de exercer o patrulhamento ideológico dos ídolos). Aprecia bons filmes (com conteúdo social) e bons livros (de autores de esquerda). Um diálogo construtivo com esse ente pode ser gratificante para ambas as partes.

Não se furte a reconfortá-lo nesse momento difícil para ele.  Não é só por causa da queda da Dilma. Seus ídolos também se tornaram escassos e medíocres. Antes louvava Guevara e Mao Tse Tung, hoje só tem Maduro e Kim Jong-un. Admirava Celso Furtado e Darcy Ribeiro, hoje cultua Jean Wyllys e Cyro Gomes. Antes recitava Adorno e Marcuse, hoje cita a Mídia Ninja e o blog do Sakamoto.  Sua leitura de cabeceira era O Capital, hoje é a Carta Capital. Preconizava a revolução do proletariado, hoje defende o bolsa-família.

Um último recado: embora a maioria deles se declare ateu, não leve a sério. Eles acreditam sim em Deus. Para eles, deus vive entre nós e tem barba. E só quatro dedos na mão esquerda.

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Sérgio Sayeg

Sérgio Sayeg

Brasileiro, 64, economista formado pela USP, ex-professor universitário, ex-proprietário de loja de discos raros e escritor. Escreveu o livro de Crônicas O QUE DE MIM SOU EU pela editora Scortecci em 2012. Páginas no facebook: O QUE DE MIM SOU EU em que publica crônicas; CONTRO-VERSOS com mini poesias provocativas; OBRAS PRIMAS DA MÚSICA BRASILEIRA NÃO DEVIDAMENTE RECONHECIDAS com matérias sobre álbuns de MPB que não tiveram a merecida repercussão na mídia.

Obrigado por visitar o nosso site.

Facebook
%d blogueiros gostam disto: