Crônicas

Morrer de saudades

Luciano Fortunato
Escrito por Luciano Fortunato

Qual seria a raiz dessa expressão? Algum dia alguém teria morrido de saudade? Morrido mesmo, vindo a óbito? Será que lá na época do Império Romano? Será que entre os românticos do século dezenove? Ou será que a expressão já nasceu no plano da figuração? Desta forma, a saudade não seria então – nunca teria sido – uma assassina. Muito embora saibamos que o amor romântico chegou a ser chamado de Mal do Século, no século do cientificismo. Pessoas morriam de amor, literalmente, tomados por depressão e tuberculose, e, imaginamos que morrer de saudade está implícito em morrer de amor. A saudade então – de certo que sim – já fez muitas vítimas. Hoje, porém, talvez bem menos que antes.

Ele, o jovem pesquisador, experimentara todos os sabores da saudade: doce, azedo, amargo… Certo dia ele olhava para o mar contemplando a vinda de um navio que despontava no horizonte. Ele sabia que naquele navio estava ela. Ela já não agüentava mais o peso do enorme oceano a separá-los. E assim veio reencontrá-lo. Quem sabe pra ficar… Quem sabe para mais um eterno momento passageiro… Quem, afinal, pode prever o curso da vida? Sim, a saudade os matava. Mas como doença que mata aos poucos, pois os grandes amores não são como suicídio: eles são como doença. Ele sabia que seu romantismo pessoal era sufocante e impertinente. Da mesma forma que sabia que aquilo poderia ser contagiante… como vírus. Assim como estava alí a ciência de que aquilo pudesse ser, por outro lado, a cura, e que veneno e remédio são feitos da mesma substância, em doses diferentes. Coisas que talvez ambos soubessem.

Como pesquisador ele era um bom poeta romântico. De forma que ele sentia, muito mais do que estudava. O navio ancorara paciente. Viera a dama. No cais uma tempestade de gaivotas famintas, que eram vistas pelo casal que, de mãos dadas, se deleitava na perplexidade. Era a saudade quem estava morta, enfim. Isso faz muitos anos.

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Luciano Fortunato

Luciano Fortunato

Escritor.
"o menino é o pai do homem" (willian wordsworth);
"criar é dar forma ao próprio destino" (albert camus);
"...atire a primeira pedra" (yeshua)...

Ateu Cristão
Não creio em divindades de quaisquer religiões. Mas respeito profundamente quem crê no mundo místico, onde, aliás, vejo muita beleza. E como tenho como meu modelo pessoal o de Cristo, que é o exemplo total de tolerância, compreensão, conciliação, fraternidade, coragem e amor, sou levado, sem qualquer incômodo, a respeitar todas as religiões. Fé e ciência: ambos merecem respeito. Sou um homem curioso, preocupado em entender o ser humano e o mundo, e também a sentir a vida de forma grata... apesar de minhas posições políticas.
Preferência política: Simpatia pela esquerda

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: