Crônicas

Por dentro das notícias da semana

Bia Mies
Escrito por Bia Mies

1/3 do time da Rússia é banido dos jogos Olímpicos por doping. Menina se apaixona no metrô, posta foto na internet (com legenda apaixonada) e tudo acaba em namoro. Ministro explica o esquema de segurança dos Jogos Olímpicos do Rio. 282 passageiros e 18 tripulantes passam bem, após incêndio em um Boeing que cruzara os céus da Índia a Dubai. As cores do Brasil estampam símbolos de todo o mundo. Hillary X Tr
ump. Dilma e ainda a questão
do impeachment. OCopacabana Palace saúda os estrangeiros com borboletas de motivo bandeiras internacionais. Uma releitura do Pequeno Príncipe é realizada em stop-motion A Lapa ganha oásis residencial descolado, enquanto o mundo se preocupa em capturar um novo Pokemón.

Diferentemente das meninas de sua tribo, Mônica acorda cedo, troca de roupa, prepara seu próprio café da manhã, passa no quarto de Don’Ilda, lhe dá bom dia, abre as janelas, confere sua pressão e sorri. Alimenta o gato e Horácio, o pequeno hamster; vai ao banheiro, escova os dentes, retira o lixo da cozinha; ao jogá-lo na caçamba, recolhe o jornal da porta de seu Altevo, um velhinho simpático que já não enxerga direito e gosta de ter as notícias resumidas às 18h em ponto, quando Mônica retorna do trabalho. Caminha até a esquina, de onde vislumbra a condução.

O ônibus percorre ruas, avenidas, semáforos, passa por crianças, carros, motos e um cachorro com a patinha quebrada. No entretempo, Mônica atualiza-se sobre os últimos acontecimentos. Olimpíadas, em quase todas as páginas… Mônica já fez Ginástica Rítmica; gostaria de poder assistir a uma competição ao vivo.

O Inmetro certifica o primeiro medidor de energia do Brasil. Surfista tira onda ao surfar com tocha Olímpica. Chancelers de diferentes partes da América discutem a crise do Mercosul. Você sabe o que é eficiência energética? Galhos de árvores invadem um prédio na Zona Sul da Cidade Maravilhosa. É tempo de dar atenção a coisas que a gente esquece, de tão atribulada que é a vida. A Ginástica Rítmica compete entre os dias 19 e 21 de agosto, ainda há ingressos.

19 paradas depois, a lanchonete. Mônica enrola o jornal debaixo da jaqueta, entra por uma pequena porta vermelha de número 182, cumprimenta os poucos clientes que já estão aguardando o pão na chapa com uma media. Do alto de seus 1,70m – se medidos da sola dos pés ao topo do coque que está sempre ali, dia e noite, preso num lenço que muda de nuances, nunca o formato de laço – um mosquito zombeteiro incomoda Mônica e muita gente. Seu zumbido confunde-se com o burburinho da televisão, o dia passa e as notícias também.

Refugiados (sobre)vivem em condições precárias em Nauru. A tocha Olímpica chega a cidade Maravilhosa. Veja a previsão do tempo para este fim de semana prolongado. Passagens aéreas com 35% de desconto. A Ginástica Rítmica, não diferente das competições desde 1984, promete um verdadeiro espetáculo.

Muitos pedidos, louças que de limpas tornam-se sujas e vice-versa, clientes que largam gorjetas e os que deixam fiado, gringos pedem Açaí com guaraná em sotaques vários deixam gorjetas em moedas de todo o mundo, como se o aquário de vidro de Mônica fosse uma espécie de Fonte, tal qual aquela da Italia… Mônica trabalha. O mosquito zomba dela.

Às 16h35, quando o movimento está fraco, parte do que parece ser a delegação da Áustria adentra o estabelecimento. Mônica tenta se virar com o inglês de escola pública que aprendeu, junto às expressões que absorveu dos filmes que passam na televisão. Todos sorriem. Mônica é simpática e atenciosa. O mosquito pousa no ombro direito de um dos atletas.

Homem reage a uma tentativa de assalto e mata o assaltante, afirmando ser o vice-cônsul da Rússia. China testa transporte gigantesco que passa por cima de outros veículos. Jogadores da Seleção Masculina de vôlei não comparecerão à abertura. Palhaço causa pavor em cidade americana. Moradores de cidades pequenas reclamam por a falta de mais Pokémons para caçar. Obama completa 55 anos, o último como presidente. Refugiado Sírio é morto na Tuquia por gangue de homofóbicos. Time de hóquei indiano também sofre com as instalações da Vila dos Atletas.

Um senhor se aproxima do balcão. Mônica sorri e ele pergunta “How much?”. O mosquito voa para perto dele. Ela bate o que foi consumido por ele na caixa registradora e lhe entrega um pedaço da bobina. O homem tira uma caneta do bolso da camisa, afasta o mosquito, escreve umas palavras, deixa 100 doláres sobre a conta e se vai. Mônica não entende o que está escrito, o mosquito a apurrinha, ela lhe dá um safanão certeiro e corre atrás do senhor, que tomou um táxi. Atordoada, volta para a lanchonete, parecendo perdida. Um dos austríacos se aproxima, ele fala português e tenta entender o sofrimento da moça. Quando ela lhe mostra o papel, ele traduz:

“A vida é muito curta; um amigo meu morreu ontem à noite. Por favor, aproveite a noite com alguém que você ama. A vida é muito curta.”

Mônica sai às pressas da lanchonete, toma o ônibus no sentido de volta a casa. Leva uma sacola plástica com uma refeição feita de última hora. Vai direto à sala de Don’Ilda, sua avó, e prepara a mesa para dois. Minutos depois, traz seu Altevo na cadeira de rodas, os dois idosos se olham e sorriem. A TV é o unico som no ambiente.

Estudos afirmam que aves podem dormir enquanto voam. Jô Soares é eleito para a Academia Paulista de Letras. Reforma educacional do Chile provoca muitas manifestações. Cem mil é o número de pessoas que farão a segurança no Rio de Janeiro.

Ao servir o jantar, deixa os dois pombinhos à sós – ou quase, por continuar alerta ao estado de saúde de ambos. Conecta-se a internet pelo desktop na sala da avó e acessa o site de compra de ingressos. “A vida é muito curta…”, pensa. Remédios para comprar, contas a pagar, as despesas com supermercado.

Doença respiratória desconhecida mata 30 crianças em Myanmar. Dólar fecha com o menor valor do ano: R$3,196. Ainda há ingressos para a competição de Ginástica Rítmica.

“muito curta…”. E sem mais pensar, finaliza a compra de ingressos para várias competições de seu esporte favorito.

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Bia Mies

Bia Mies

Carioca, nascida em 1988, de origens itaiana-suíça-portuguesa, cronista, artista, arquiteta, atriz, urbanista; do mundo...
Esta autora escreve aos Domingos.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: