Crônicas

Quando chegar a minha hora de partir

Roberto Ferrari
Escrito por Roberto Ferrari

Quando chegar a minha hora de partir quero todos que gostaram de mim na minha vida, ao meu lado. Não quero falsidades, quero que as pessoas digam o que realmente achavam de mim. Penso que não é porque você morreu vai virar santo, e por isso tanto as coisas boas que fiz quanto as ruins tem que ser ditas. Nada de flores, acho que me sentiria sufocado, um absurdo porque já não estarei mais sentindo nada, mas quem ficaria sufocado seria meu espirito, mesmo que nessa hora estivesse só observando.
Quero muito rock and roll e bossa nova, quero que todos festejem a minha partida, como um até breve. A minha mulher já terá por escrito ordens para servir uísque, cerveja e mais o que as pessoas quiserem. Afinal durante a minha vida a bebida foi uma parte importante dela. Quantas poesias eu fiz ou quantos pensamentos sobre a vida eu tive tendo bebido.
Não pensem que vou embora triste, não mesmo, vou embora com a consciência tranquila de que vivi muito, realizei meus sonhos, tive dois grandes amores, dois filhos lindos e de que tudo o que escrevi ajudou muita gente.
É, posso dizer que valeu a pena e que minha trajetória foi intensa.
Fui a muitos shows de rock, tive programas de web rádio e web tv e declamei muitas poesias.
Ah! Tive amigos leais e irmãos na minha vida, talvez não muitos, mas posso garantir que foram os melhores que alguém pode ter.
Eu não poderia esquecer de duas coisas: a primeira é ter a bandeira do Brasil junto a mim e a segunda é ter a bandeira do Corinthians bem por cima do meu peito, afinal o Timão foi minha segunda pele.
Sempre gostei da natureza e fui um eterno apaixonado pela Lua. Muitas das minhas poesias tiveram a Lua, as mulheres e o amor por inspiração. Sei que vou encontrar com vários mestres e minha alma está ansiosa pelo momento.
Sei que muitas pessoas ficaram tristes com a minha partida, mas quero dizer a elas para não ficarem, pois sempre estarei vivo nos meus escritos e quando precisarem de um ombro amigo é só pensar em mim e de onde eu estiver acalmarei seu coração.
Por vezes nesta vida fui incompreendido, chamado de louco e muita gente nunca soube me dar o valor que eu merecia, mas quero ressaltar que mesmo contra o desejo de muitos consegui deixar um legado que tenho a certeza vai inspirar gerações futuras.
Para finalizar quero dizer que amei e fui amado, que não me arrependo de nada que fiz na vida e que se tivesse outra oportunidade de viver, faria tudo da mesma forma.

 Deixo aqui uma poesia que é um pequeno resumo da minha vida:

             Biografia

Minha vida se resumiu a amar
A vida, as mulheres, enfim tudo,
Mesmo as dificuldades, as grandes batalhas.
Cheguei e vou partir,
E entre estes momentos vivi pelo amor.

Sou fácil de entender
Vivi cada instante intensamente.
Amei como poucos.
Segui meus sonhos por muitas vezes loucos, mas os realizei
Tive meus amores, escrevi minhas poesias
Compreendi o sentido da vida
Enxerguei com meu coração e muitas vezes sem a companhia da razão,
Pois compreender a vida com a razão seria viver sem emoção.

Pratiquei o bem, vivi de paixão,
Entreguei-me a meus amores e
Além de tudo, fui o poeta do Amor
Esta será minha biografia

Roberto Ferrari

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Roberto Ferrari

Roberto Ferrari

Roberto Ferrari nasceu em São Paulo no ano de 1957, e se formou engenheiro e fez duas pós-graduações. Aos 54 anos de idade resolveu seguir sua real vocação: Escrever. Roberto iniciou sua carreira literária em 2011 e já publicou os livros: Sublime Amor, Ventos da Paixão, Identidade Assassina, Fundamental como o Amor, Refúgio da Alma, Negócios de Sangue, Intenso como a Vida, Mansão Molnár, Juras Apaixonadas, O Ceifador de Almas e Suplício de Amor.
Roberto Pertence a varias Academias de Letras e é Presidente da ACLASP- Academia de Ciências, Letras e Artes de São Paulo.
Roberto já recebeu diversas homenagens e entre elas pode-se destacar a feita pela ABRASCI que o elegeu para ocupar a cadeira de nro 39, cujo patrono é Vinicius de Moraes. No transcorrer de sua curta carreira, Roberto já participou de mais de 100 Antologias Poéticas. Como ele mesmo diz o trabalho em prol da cultura, é árduo, porém dignificante.

%d blogueiros gostam disto: