Crônicas

Quando olho nos olhos de uma criança

Campista Cabral
Escrito por Campista Cabral

Quando olho nos olhos de uma criança, vejo outro mundo. Um mundo de sonhos e possibilidades. Um mundo de imagens coloridas e brincadeiras. Um lugar onde há abraços e certezas!

Não este mundo confuso sem fronteiras…

Não a barbárie costumeira!

Quando olho nos olhos de uma criança, vejo um futuro, vejo um descanso, vejo e pressinto um tempo.

Não este tempo sem tempo…

Não o contratempo e a fora de senso!

Quando olho nos olhos de uma criança, vejo a simplicidade e a leveza das coisas, a verdade e a inocência!

Não esta mediocridade e indecência…

Não o furor ou a indolência!

Mas.

Quando vejo que, mesmo nos olhos de uma criança há o terror e o não e o descaso e o mal e a catástrofe e a confusão… vejo que tudo parece sem solução! Guerras, impostos, violência e ideologias: palavras e bandeiras ao vento! Verdades de momentos! Indução, sonegação, imposição, corrupção e falsificação: o nosso desejado sim é sempre o duro NÃO!

Mas.

Ainda há crianças! Ainda há crianças que sonham e brincam e abraçam e se abraçam e pulam e correm e vivem e pegam cores no laço! Ainda há gente que sorri e pede desculpas e dá licença e passa a vez e responde gentilmente e dirige calmamente e não mente…

Crianças pequenas e crianças grandes!

Penso em todas estas coisas no momento em quase encerro esta crônica. Penso que as crianças são o mundo. Penso e tenho medo das crianças que não são mais crianças e tudo o que isso implica. Penso, tenho medo e me arrepio quando vejo crianças já duras diante de tanta brutalidade. Entretanto, sempre há uma criança que sorri e que não está nem aí pro mundo adulto. Sempre há um adulto que dá as costas para as frias determinações da vida e do sistema e simplesmente sente, pulsa, respira e brinca.

Penso que ainda há salvação para nós. Penso que estas crianças, grandes ou pequenas, fazem a diferença em meio ao turbilhão.

Ainda bem que elas existem! Ainda bem que elas persistem!

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Campista Cabral

Campista Cabral

Escritor, poeta e cineasta amador. Publicou quatro livros. O REI, O POETA, A MULHER E O MAR (contos), TERRA BRASILIS (crônicas), PARA ENTENDER UMA NOVA EDUCAÇÃO (livro voltado para os problemas da educação no século XXI) e FORMAÇÃO DOCENTE E PRÁTICAS INOVADORAS (livro sobre novas práticas docentes no ensino superior). Realiza anualmente o FESTIVAL DE CINEMA DE TERESÓPOLIS e, dentre alguns trabalhos na área, destaque para o filme NOITES COM SOL (2011) e os documentários PALAVRAS (2008), CAMINHOS EUCLIDIANOS (2012) e O QUE É FELICIDADE? (2013). Escreve regularmente para o Escritartes (www.escritartes.com) e Recanto das Letras (www.recantodasletras.com)

Obrigado por visitar o nosso site.

Facebook
%d blogueiros gostam disto: