Crônicas

Reformar para piorar

Enio Ricanelo
Escrito por Enio Ricanelo

Mais do mesmo não muda nada, melhor dizendo, piora. A reforma política faz com que o descontentamento nacional só aumente.

Desde do início do mês de maio, os poderes se debruçaram na questão da famigerada reforma política, começava a “feira do rolo” para se definir os parâmetros dos próximos pleitos. Um movimento essencial para uma reforma institucional, fora posto de lado para se discutir benefícios aos partidos e seus representantes, como se isso fosse alguma novidade.

Nas mesas de bar, nas rodas de amigos, o pedido nacional era o corte de privilégios, diminuição de cargos, corte de salários e redução de despesas… uma utopia. Na prática temos um financiamento público de campanhas, um sistema –que pode surgir- como forma de reeleição garantida e perca de representatividade social. Seria demais pedir algo diferente?

Com o modelo proposto, o contribuinte verá 0,5 % da arrecadação nacional destinada ao fundo partidário, para o relator do projeto na câmara, Dep. Vicente Cândido (PT-SP), o valor de 2 bilhões é “razoável” e alerta que o montante crescerá nos próximos pleitos. Ou seja, você que está lendo esse artigo, vai financiar a campanha de qualquer pessoa, partido e ideologia. Ficaremos reféns, e imóveis, ao vermos nossos impostos serem destinados ao obscuro fundo partidário. Medida essa que irá deturpar um dos preceitos mais verdadeiros da democracia.

Num sistema justo, e correto, as pessoas físicas, somente elas, deveriam financiar as campanhas de seus políticos, fazendo valer suas ideologias. Mas está aí mais uma jabuticaba puramente brasileira. Aliás, perca do sendo de democracia tem sido uma constante nas propostas.

Na pauta da votação uma mudança, em benefício próprio é claro, para o sistema eleitoral do próximo ano. O voto distrital, que elege o mais votado, só tende a acabar com a representatividade mistificada do brasileiro, além de ser uma estratégia clara de reeleição, ora pois, os eleitos, além de já serem conhecidos pela população, tem a máquina a seu favor, despachando inúmeras emendas nos meses que antecedem a eleição.

Pois bem, se isso é reforma, convém deixar a casa cair…

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Enio Ricanelo

Enio Ricanelo

Tem 18 anos, solteiro, mora na cidade de Atibaia, São Paulo. É estudante de Jornalismo na FAAT Faculdades. Locutor esportivo, repórter e fundador do portal In Foca. Correspondente do L’Eco di Bérgamo e Assessor da Prefeitura de Bom Jesus dos Perdões.

%d blogueiros gostam disto: