Crônicas

SOMOS TÃO JOVENS

Campista Cabral
Escrito por Campista Cabral

Somos tão jovens…

E voamos, brincamos, corremos!

Somos heróis e vilões, somos fortes e imbatíveis, eternos

E não é mesmo isso o que se sente quando se é jovem? De que nada de ruim pode nos atingir, simplesmente porque somos jovens?

E, no momento em que alguém tão jovem morre, não entendemos, não acreditamos, não aceitamos!

Hoje, recebi a notícia de que uma jovem conhecida havia ingerido vários comprimidos e foi encontrada morta no lugar em que morava. Não sei o que houve de fato. Não sei quais as circunstâncias! Sei que ela morreu e era muito jovem…

O que ela sentia? Quais eram os seus medos? O que a afligia?

Eu não sei, mas desconfio. Desconfio do mundo confuso e veloz! Desconfio do tempo incerto! Desconfio do nosso tempo!

Nesse mundo de correria e superficialidade, muitos jovens não têm tempo nem de viver a própria juventude. Ou estão jogados no turbilhão do mercado de trabalho e das exigências do pós-moderno, ou estão fora do sistema, brigando com todos e com o mundo, tentando achar algum sentido nisso tudo!

Mas não importa se um ou outro grupo, o que chama a atenção é que dos dois lados, inúmeros garotos e garotas estão perdidos! Na pretensa realidade, da vida editada e agitada, do glamour constante e da superexposição, muitos buscam a felicidade desesperadamente. Autoafirmação, identidade, desprezo, intimidação!

Jovens estão morrendo! Jovens morrem o tempo todo! A cada esquina um jovem morre! A cada minuto um jovem morre!

Jovens morrem no trânsito, nas drogas, nas bebidas, no tráfico, no ir e vir das grandes cidades.

Jovens morrem doentes nos hospitais caindo aos pedaços…

Jovens morrem devastados pelo crack…

Contudo, a maioria morre dentro de si mesma! Mingua, silencia, apaga, deixa-se estar no mundo até que um vento repentino chega e, como do nada, tira de cena mais um nome e mais rosto!

O que estamos fazendo com nossos jovens?

Somos o iphone, a nike e o facebook.

Somos a marca, a etiqueta e a foto.

Somos tudo, mas não somos nada porque não somos nós mesmos!

E é isto o que estamos ensinando a muitos jovens.

Na ânsia de querermos tudo ao mesmo tempo, esquecemos do mais importante, de quem somos…

 

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Campista Cabral

Campista Cabral

Escritor, poeta e cineasta amador. Publicou quatro livros. O REI, O POETA, A MULHER E O MAR (contos), TERRA BRASILIS (crônicas), PARA ENTENDER UMA NOVA EDUCAÇÃO (livro voltado para os problemas da educação no século XXI) e FORMAÇÃO DOCENTE E PRÁTICAS INOVADORAS (livro sobre novas práticas docentes no ensino superior). Realiza anualmente o FESTIVAL DE CINEMA DE TERESÓPOLIS e, dentre alguns trabalhos na área, destaque para o filme NOITES COM SOL (2011) e os documentários PALAVRAS (2008), CAMINHOS EUCLIDIANOS (2012) e O QUE É FELICIDADE? (2013). Escreve regularmente para o Escritartes (www.escritartes.com) e Recanto das Letras (www.recantodasletras.com)

%d blogueiros gostam disto: