Crônicas

“Viva os 90 anos da Estátua do Cristo Redentor!”

19310620 Hidroavião Dornier DO-X 1929 sobrevoando a Enseada de Botafogo, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil (Fotos: Wikipédia e Internet)
Augusto Acioli
Escrito por Augusto Acioli

Ao aproximar-se a data do 90º aniversário de inauguração da Estátua do Cristo Redentor (19h15 min do dia 12 de outubro de 1931), que tal relembrarmos uma rara imagem que passou a figurar, a partir de 20 de junho de 1931, na história da Cidade do Rio de Janeiro (então capital da República), aproximando a mais adiantada tecnologia aeronáutica daquela época, representada pelo hidroavião Dornier DO-X 1929, ao monumento que seria inaugurado alguns meses após, e eleito em 07 de julho de 2007, no estádio da Luz, situado em Lisboa, Portugal, uma das novas 07 (sete) maravilhas do mundo? Com pequeno esforço visual é possível identificar os andaimes da obra ainda em fase de acabamento.

Fabricado pela empresa alemã Dornier Flugzeugwerke, o protótipo DO-X 1929 era, então, o maior hidroavião de transporte do mundo.

Possuía 03 (três) andares assim divididos:

1º piso (combustível e bagagens);

2º piso (cabines-dormitório, sala de estar, biblioteca, restaurante e bar) equipado com valioso mobiliário, luxuosos sofás e poltronas em couro, quadros, tapetes, taças de cristal e requintado serviço em porcelana que davam suporte às finas bebidas e apreciadas iguarias listadas em variado cardápio;

3º piso (cabine de comando).

A equipe de bordo poderia alcançar de 10 a 14 (quatorze) tripulantes e embora sua capacidade de transporte fosse da ordem de 66 a 100 passageiros, por segurança,  operava  com um limite de lotação em torno de 70 (setenta) usuários. É importante registrar que em 21 de outubro de 1929 realizou um vôo teste de 01h00 (uma hora) de duração sobre o Lago Constance (está situado entre a Alemanha, Áustria e Suíça) com 169 pessoas  a bordo. Este acréscimo do número de participantes foi possível graças à ausência de bagagens e redução do peso de seu tanque de combustível, face ao curto espaço de tempo necessário àquela demonstração pública.

A velocidade máxima de cruzeiro era de 210 kms/h, possuía um comprimento 40,1 metros, envergadura 48 metros, altura 10,1 metros, autonomia de 2.300 kms, teto de voo 3.200 metros, peso máximo de decolagem 52.000 Kgs e capacidade de acondicionar até 23 mil litros de combustível.

Embora testado pela Lufthansa, o DO-X 1929 não obteve o sucesso comercial esperado, em face de seu elevado custo de operação, sendo o projeto desativado, em 1934, e o protótipo levado para o Museu da Aviação, em Berlim (Deutsche Technikmuseum), onde acabou sendo destruído durante um bombardeio aliado na 2ª Guerra Mundial (ano 1943).

Em contrapartida, nossa querida estátua do Cristo Redentor vai muito bem obrigado, e, tal qual as amadas velhinhas presentes em lares e pensamentos, após receber  embelezamento, moderna iluminação e melhoramentos diversos, passou a representar o mais importante símbolo de identificação da Grande Família Brasileira, no exterior.

Trata-se, sem dúvida, de um motivo adicional de orgulho para nós, Cariocas, que por já vivermos cercados de tantas belezas, sentimos um prazer indescritível em desfrutá-las na companhia dos migrantes e turistas que, ao nos honrarem com suas presenças, demonstram apreço pelo Rio de Janeiro, um ponto no mapa da Nação Brasil que se encontra guardado e protegido, para sempre, em nossas mentes e corações.

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Augusto Acioli

Augusto Acioli

Economista. "O nome de alguém é a chave mágica que abre a porta que está na parede que não existe."

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: