Cronistas

Lula e Temer serão testemunhas de Eduardo Cunha? Sorriam, vocês ainda não estão sendo gravados!

- e se a gente não conseguir nessa hora segurar a gargalhada ?!
Humberto de Almeida
Escrito por Humberto de Almeida

Vocês sabem, mas faço questão de repetir: não sou meio burro apenas, mas burro e meio para entender certas coisas erradas que eles dizem ser certas.  Agora, se vocês não sabem, repetindo o burro e meio aí, venho lembrar que Eduardo Cunha, esse que não tenho nenhuma necessidade de dizer de quem se trata,pois todos sabem, está preso desde o dia 19 de outubro do ano em curso, por decisão do Juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações da Operação Lava jato na primeira instância.

Acham que eu preciso dizer alguma coisa?  Então digo: a sua – do Eduardo Cunha – prisão foi decretada na ação penal em que o deputado cassado é acusado de receber R$ 5 milhões, que foram depositados em contas não declaradas na Suíça. Agora, devagar com o andor, que o santo quer curtir a paisagem. Vamos por partes, diria o Jack Estripador. Primeiro vamos lembrar o que vem a ser uma “Testemunha”.

Em principio, numa definição simples, testemunha é aquele ou aquela que presenciou o fato. Tá entendendo, não?  Presenciou o fato. Tem mais: de acordo com o art.339 do Código de processo Civil, “Ninguém se exime de colaborar com o Poder Judiciário para o descobrimento da verdade”.  Conclusão: você é “obrigado” colaborar. Posso ir em frente? Tudo bem, vou.

 Sabendo que testemunha é aquela “Pessoa que presenciou ou ouviu (acrescentaram) algum fato ou dito e que dele pode dar pormenores”, fico aqui a perguntar para os meus botões hoje mais carne do que osso, pesando quase noventa e cinco quilos, esses – sem modéstia – bem distribuídos em quase um metro e noventa de altura, o seguinte:

– o que danado Temer e Lula viram ou ouviram sobre o Eduardo Cunha e esse visto/ouvido servirá como seu – do Cunha – defesa, para que o ex-croto réu?

Fiz também outra pergunta para esses mesmos botões:

– Por que o Cunha chamou para testemunhas (de defesa! de defesa) suas justamente um ex-presidente da República na agulha para ser também injetado na mesma sala que ocupa dividir, e um presidente que parece também não estar muito longe disso?

Sendo meio burro para entender essas coisas, vocês sabem, desconfio que exista algo meio franciscano nessas indicações. E, mesmo sabendo das condições aqui espalhadas, entre elas a de que “ninguém se exime de colaborar com o poder Judiciário”, desconfio existir entre eles uma espécie de “é dando que se recebe”. Acho mesmo que é por aí:

Vamos testemunhar em tua defesa, mesmo achando ser difícil, mas amanhã, um fato que não está muito difícil de acontecer, tu testemunharás em nosso favor!

 Por que sinceramente não imagino o que Michel Temer irá dizer em favor de um réu cuja culpa – nada de julgamento prévio – está formada, reconhecida e faltando pouco para o martelo batido. Tento, invento, dou mil voltas na cabeça, faço uma coisa diferente, mas, burro e meio como sou para entender certas coisas, vocês sabem, não imagino o que possa ser dito em defesa de Eduardo Cunha.

Tudo bem. No caso do ex-presidente Lula, nenhuma dúvida. Sua defesa – em favor do Eduardo Cunha – é por todos imaginada, inclusive por este “malabarista de Palavras” burro e meio para entender essas coisas. Lula não dirá muita coisa. Será direito como um soco de Mike Tyson em seus melhores dias: EU NÃO VI NADA, NÃO OUVI NADA, NÃO SEI DE NADA!

Em tempo: na Antiguidade pré-clássica e mesmo em Roma, quando prestavam juramentos solenes nos tribunais, como parte do cerimonial, as testemunhas não os faziam sobre algum livro sagrado e sim – acreditem – levando a mão direita aos testículos! Explico melhor: pegava nos ovos!  Agora é também verdade que existe uma relação entre os dois vocábulos, isto é, testículo e testemunha. Os testículos, de fato, são testemunhas privilegiadas do ato sexual.  Tem mais: a palavra latina para testemunha era “testis”. Testemunha seria a terceira pessoa que poderia descrever os fatos com maior isenção do que os que estavam diretamente envolvidos na disputa judicial. Era por aí. Não sei se ainda hoje essa relação em ovos e testemunha ainda existe.

Até Quinta, Isabelas!

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Humberto de Almeida

Humberto de Almeida

Jornalista e escritor paraibano. Somente um pouquinho mais tarde viria o 1berto de Almeida – nasceu, cresceu, viveu e, mesmo não morando mais em Jaguaribe, nele ainda vive.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: