Teatro

Blackbird reestreia no Teatro Dulcina

Blackbird, com Viviani Rayes, Yashar Zambuzzi, Nínive Kienteca e texto de David Harrower
Redaçao
Escrito por Redaçao

A peça é inspirada de forma parcial num caso real de pedofilia ocorrido em 2003, entre uma britânica de 12 anos de idade e um norte-americano de 32. Na história real, o ex-fuzileiro naval se passa por um rapaz de 23 anos para seduzir a jovem de 12 anos que diz já ter 19. Os dois marcaram um encontro pela internet e resolveram se encontrar. Os dois se apaixonaram e decidiram fugir para viver este caso proibido. Ele foi condenado pelo crime de pedofilia.

Dessa história, o autor David Harrower se baseou para escrever a peça BlackBird, que desda a estreia vem arrebatando plateias em todo o mundo. Em 2005, na Escócia, foi vencedora do de Melhor Peça no Festival Internacional de Edimburgo. Também recebeu o Prêmio dos Críticos de Teatro da Escócia, em 2006; Laurence Olivier Award de Melhor Peça Revelação, em 2007, e L.A Drama Critics Circle Award, em 2011. Jeff Daniels e William Petersen, consagrados atores norte-americanos, já encenaram o espetáculo. No Brasil, a adaptação, no entanto, foca em um reencontro do casal 15 anos depois do evento, após a saída do ex-marinheiro da prisão.

Nessa segunda montagem brasileira, o elenco é formado por Viviani Rayes, Yashar Zambuzzi e Nínive Kienteca e tem direção de Bruce Gomlevsky.

Uma das polêmicas enfrentadas por Harrower e seu texto não é a pedofilia em questão, mas sim porque o autor optou retratar uma uma história romântica entre os personagens de um episódio tratado como crime.

– O autor foi brilhante porque conseguiu contar uma história de amor e ao mesmo tempo abordar o problema da pedofilia – explica Yashar, que vive Ray, um homem de 56 anos que vê o passado bater à porta quando sua antiga paixão o encontra em seu trabalho.


Sinopse:
Vencedora do Festival Internacional de Edimburgo e do Prêmio Laurence Olivier Award, o espetáculo inspirado em um caso real de pedofilia, traz o reencontro de um homem e uma mulher que viveram caso polêmico quando ela tinha 12 anos e ele 41. Agora eles estão cara a cara para um acerto de contas.

Inspirada em um caso real de pedofilia, Blackbird aborda um tema de caráter social, ético e moral, através de um homem de 56 anos e uma jovem de 27, que se reencontram quinze anos depois de terem tido uma relação amorosa, quando ela tinha apenas 12 anos de idade e ele, 41. Um drama que discute as consequências a longo prazo do abuso sexual, o amor entre pessoas de idades diferentes e os instintos sexuais versus os padrões éticos e morais que temos em nossa sociedade. Mas Blackbird vai além ao dialogar com esse tema de maneira responsável e humana, sem ser unilateral, preconceituosa e sensacionalista. Reestreia dia 2 de março, quinta-feira, às 19h, no Teatro Dulcina.

A Peça:
Em seu local de trabalho, Ray, um homem de 56 anos de idade, fica chocado ao ser visitado por Una, uma jovem de 27 anos. Fica evidente o desconforto entre ambos, mas logo descobrimos o motivo: quinze anos antes, quando ela tinha apenas 12 anos, e ele 41, os dois tiveram um relacionamento amoroso durante três meses, mas que, ao ser descoberto, Ray fora condenado por pedofilia. Ao cumprir sua pena, Ray muda de cidade e de nome e consegue se estabelecer em uma nova vida razoavelmente bem-sucedida. Entretanto, Una ao reconhecê-lo em uma fotografia de uma revista especializada, busca descobrir seu endereço para ir ao seu encontro. Ray a conduz ao refeitório da empresa, onde os dois se envolvem em um confronto longo e difícil que provoca contínuas lutas e necessidades para se entenderem e entrarem em acordo com suas emoções intensamente conflitantes.

Sobre a Montagem:
“O realismo de que a montagem está adequadamente investida foca todas atenções nos diálogos. A peça se passa em um container abandonado de trabalho, com muito lixo, pé direito baixo e atmosfera claustrofóbica. A luz é quente, tudo converge para a oposição entre o ponto de vista de Ray e o de Una por sobre a mesma história e o que poderá acontecer a partir dali”.Rodrigo Monteiro (Crítico teatral e jurado do Prêmio APTR).

“Viviani Rayes e Yashar Zambuzzi são responsáveis por uma das mais brilhantes atuações do teatro carioca em 2014. Não sei se ‘Blackbird’ foi a melhor peça teatral que vi esse ano, talvez até seja, mas com certeza foi a que me causou o maior impacto”.Renato Mello (Jornalista do site Botequim Cultural).

“Excelentes trabalhos de YASHAR ZAMBUZZI e VIVIANI RAYES. Ambos atuam com muita verdade e maturidade profissional. É um privilégio ver o casal em cena. É muito gratificante assistir ao trabalho de dois atores que nos representam, que são motivo de orgulho para o TEATRO. Ambos mergulham, bem fundo, no âmago de seus personagens e trazem à tona todas as consequências daquele tsunami do passado”. Gilberto Bartholo (Critico Prêmio APTR).

“Os atores Yashar Zambuzzi e Viviani Rayes oferecem-nos uma atuação de excelente qualidade, numa entrega vigorosa de ambos ao texto. O embate entre eles nos tira da zona de conforto e coloca-nos diante da complexidade dos sentimentos humanos. Ali, frente a frente, quase parte da cena somos a quarta parede que tudo ouve e nada diz”. – Giselle Costa (Crítica do site Blah Cultural).

“Blackbird é teatro na sua forma mais elementar: um homem, uma mulher, frente a frente, em busca de respostas.” – New York Times.

Ficha Técnica:

Elenco: Viviani Rayes, Yashar Zambuzzi, Nínive Kienteca
Texto: David Harrower
Tradução: Alexandre J. Negreiros
Direção: Bruce Gomlevsky
Direção de Produção: Viviani Rayes
Produção Executiva: Yashar Zambuzzi
Cenário: Pati Faedo
Figurinos: Ticiana Passos
Iluminação: Elisa Tandeta
Trilha Original: Marcelo Alonso Neves
Assessoria de Imprensa: Duetto Comunicação
Programação Visual e Fotografias: Thiago Ristow
Fotos de Cena: Thaissa Traballi
Idealização: Te-Un TEATRO

Produção e Realização: Rayes Produções Artísticas>

Dias, horários e valores:
Quarta às 19:00 – R$ 40,00 (Valor inteira)
Quinta às 19:00 – R$ 40,00 (Valor inteira)
Sexta às 19:00 – R$ 40,00 (Valor inteira)
Sábado às 19:00 – R$ 40,00 (Valor inteira)
Domingo às 19:00 – R$ 40,00 (Valor inteira)
Duração: 80 minutos
Temporada: De 02/03/2017 Até 02/04/2017
Classificação: 16 Anos
Genero: Drama

Teatro Dulcina: Rua Alcindo Guanabara , 17 – Centro
Telefone: 21 22404879

*Fonte: Rio no Teatro

Comentários

Print this entry

Sobre o Autor

Redaçao

Redaçao

Envie sua sugestão para cronicascariocasoficial@gmail.com

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: